(98)984465945
Uganda: Casal muçulmano tem filho curado após pedir oração para pastor em Igreja

Uganda: Casal muçulmano tem filho curado após pedir oração para pastor em Igreja

Um pai muçulmano e sua mulher estavam desesperados com a doença do filho que não tinha solução e decidiram  buscar ajuda em uma igreja cristã. O pastor recebeu o casal e orou pela criança, que ficou curada.

Após a cura milagrosa de filho em 2 de maio, marido e mulher se entregaram a Jesus na igreja de vila de Nansyono, distrito de Kibuku, na região leste de Uganda.

Levi Baula e sua esposa Sifah Ainekisha explicaram em um comunicado à mídia que gastaram uma grande quantia em medicamentos prescritos em hospitais, mas seu filho não teve nenhuma melhora das convulsões e outros sintomas.

“Nosso xeique estava orando pela criança, e gastamos 350.000 xelins de Uganda [US$ 100], além de gastar uma grande quantia para o tratamento da criança em vários hospitais, mas tudo em vão”, disse Baula.

Casal procura igreja

Falando ao Morning Star News, o pastor da igreja, não identificado por razões de segurança, ficou inicialmente alarmado com a família quando eles chegaram em seus trajes islâmicos e instruiu os porteiros a questioná-los.

“Depois de explicarmos nossos problemas e sofrimento, o pastor orou por nosso filho e imediatamente sua inquietação e comportamento anormal cessaram”, observou Baula. “O pastor nos disse para acreditar em Jesus. Ficamos então convencidos de que Jesus havia curado nosso filho e aceitamos receber orações para ter Jesus como nosso Senhor e Salvador.”

O Sr. Baula revelou que seu filho de 3 anos pôde comer a comida servida após o culto sem os problemas que havia mostrado anteriormente, e a família estava convencida de que ele havia sido salvo de seus tormentos.

Dada a sua origem muçulmana, a esposa de Baula disse que quando eles voltaram para casa, eles não contaram a ninguém, exceto a sua sogra sobre as orações na Igreja que fizeram seu filho ficar bom.

Ataques após ida à igreja

De acordo com o MSN, a família compareceu com alegria ao culto planejado e agradeceu à Igreja pelas orações que curaram seu filho.

No entanto, quando eles voltaram para casa, mais de 20 parentes muçulmanos se reuniram do lado de fora de sua casa.

Os parentes começaram a questioná-los, e Ainekisha disse que eles haviam levado seu filho à igreja para orações de cura, disse Baula.

“Um homem chamado Musitafa lhe deu um tapa forte e disse: ‘Allah Akbar [Deus é maior], fique quieto’”, disse Baula. “Achamos que eles iam nos matar, mas eles apenas nos alertaram para não irmos à igreja, e a reunião terminou.”

O casal não compareceu ao culto no domingo seguinte, 16 de maio, mas naquela noite o pastor os visitou e orou por eles, disse ele. Eles se levantaram na madrugada de 23 de maio para assistir ao serviço religioso, voltando às 17 horas para encontrar três de suas cabras desaparecidas, disse Baula.

“Um parente chamado Hamisi me disse que Alá havia levado as cabras”, disse ele. “Fiquei assustado com aquela declaração e voltei e contei para minha esposa”.

Pressionados a ir embora

A mulher conta que Hamisi disse que a família deveria se mudar. O casal tem três filhos, de 10, 6 e 3 anos.

“Enquanto pensávamos para onde ir, por volta das 21h ouvimos galinhas fazendo muito barulho na cozinha e, quando saí, vi fumaça e chamas subindo pelo telhado, voltei e disse a minha esposa que estamos morrendo”, disse Baula. “Pegamos nossos filhos e saímos muito rápido, e em pouco tempo meus irmãos, irmãs e vizinhos muçulmanos, juntamente com um imã, chegaram. O imã recitou o Alcorão e, mais tarde, disse aos meus irmãos para começarem a destruir a casa.”

Eles assistiram à destruição de sua casa e de todos os seus rebanhos, contou.

Infiéis

“O Imam nos disse que a partir de hoje não éramos mais um dos membros da família, que éramos kafir [infiéis] e que deveríamos deixar a propriedade imediatamente para ir à procura de outros infiéis”, disse Baula. “Ele acrescentou que, se não fosse a lei de nosso estado, enfrentaríamos a morte, mas ‘saia daqui, já que desobedeceu a Alá e seu mensageiro’”.

Proibidos de levar qualquer coisa, eles saíram apenas com as roupas que vestiam, contou.

A família relatou o incidente ao presidente do LC1, Moses Magona, que disse ter recebido um telefonema de um de seus parentes informando que a família de Baula havia sido rejeitada.

“Recebi um telefonema de Samuku Kalimu dizendo que toda a família o deserdou por deixar o Islã, mas não o mataria - mas se você resistir, eles estarão prontos para matá-lo”, Magona disse a ele, de acordo com Baula.

A família refugiou-se na casa de outro cristão.

“Nós, como igreja, temos medo porque os muçulmanos podem atacar nossa igreja”, disse o pastor da igreja. “Relatamos o incidente ao posto policial na ala central, Câmara Municipal de Kasasira.”

 

Fonte: Guiame/ Com informações do UG Christian News - Foto: reprodução / Morning Star News

Compartilhe na Rede


Player Radio Conexao Gospel

"
Fechar

É fácil Participar da Promoção!

Digite abaixo o Nome da Promoção, Nome(completo) e Telefone com DDD.

Participe da Promoção